Sensibilidade e Especificidade de Pontos de Corte paraFrequência Cardíaca em Repouso de...

  • Roberta Valério de Araújo Naves - Cardiologia e Imagem Cardíaca Hospital Samaritano Paulista - UHG, SP; Hospital Santa Paula, SP; Prevent Senior, SP.

Fundamentação: A frequência cardíaca em repouso (FCR) reflete o equilíbrio entre o sistema nervoso simpático e parassimpático. A FCR diminui com o avançar da idade e é dependente do sexo. Quando persistentemente elevada, a FCR tem sido associada a eventos cardiovasculares adversos e à mortalidade em adultos, em razão do aumento do consumo miocárdico de oxigênio. Existem percentis para FCR por idade e sexo, para crianças e jovens, mas nunca foram descritos os pontos de corte para FCR. O objetivo dos autores deste estudo foi estabelecer os pontos de corte para FCR em adolescentes brasileiros e analisar se há associação entre estes pontos de corte e os fatores de risco cardiovascular.


Metodologia: Estudo transversal realizado a partir das bases de dados de três estudos de base escolar. A população-alvo foram alunos de 10 a 19 anos de idade e foram compiladas apenas variáveis biológicas. Não foram consideradas variáveis comportamentais. Para as medições da FCR foi utilizado o dispositivo de monitoramento de pressão arterial Omron HEM 742 (Omron, Xangai, China). Após aproximadamente 30 minutos de repouso e um período de pelo menos cinco minutos na posição sentada, todos os adolescentes tiveram sua FCR medida três vezes, sendo as duas últimas medidas consideradas para análise.


Principais resultados: Foi observado valores médios da FCR mais altos entre os adolescentes de 10 a 14 anos do que naqueles de 15 a 19 anos, para ambos os sexos. Os pontos de corte de FCR para detecção de fatores de risco cardiovascular foram significativos para meninos de 10 a 14 anos (> 92 bpm) e de 15 a 19 anos (> 82 bpm) e para meninas de 15 a 19 anos (> 82 bpm). Nenhum ponto de corte conseguiu detectar associação com os fatores de risco cardiovascular para as meninas de 10 a 14 anos.


Os pontos de corte propostos para a FCR foram associados com obesidade abdominal, sobrepeso e pressão arterial elevada em meninos e meninas.; e foram associados ao conjunto de fatores de risco cardiovascular em adolescentes de 15 a 19 anos. Entre meninos de 10 a 14 anos, a FCR elevada foi associada com a obesidade abdominal e o sobrepeso; e entre os meninos de 15 a 19 anos, a FCR elevada foi associada com a obesidade abdominal, o sobrepeso e a pressão arterial elevada. Já nas meninas de 15 a 19 anos, a FCR elevada foi associada com a obesidade abdominal, o sobrepeso e a pressão arterial elevada.


Conclusão: O presente estudo conseguiu estabelecer os pontos de corte para a FCR, que foram associados aos fatores de risco cardiovascular, exceto para meninas entre 15 a 19 anos.


Impacto clínico: As calculadoras de risco cardiovascular mais difundidas não contemplam a FCR como variável para o cálculo de risco. Sabe-se que o indivíduo com bom condicionamento físico apresenta FCR mais baixa, mas a variável nível de atividade física não foi considerada neste estudo. Apesar da FCR ser uma medida simples, fácil e de baixo custo, o delineamento transversal deste estudo não permite inferir causalidade, o que torna necessário estudos longitudinais para validar os pontos de corte encontrados.

Referência bibliográfica:

  1. Farah BQ, Christofaro DGD, Lima-Andrade A, Soares-Germano AH, et al. Sensibilidade e Especificidade de Pontos de Corte para Frequência Cardíaca em Repouso de 6794 Adolescentes Brasileiros: Um Estudo Transversal. Arq. Bras. Cardiol. 2021; 117(1):74-81!

#CARDIOLOGIA_CLÍNICA

99 visualizações