SBC oferece curso avançado a distância sobre eletrocardiografia

Atualizado: 2 de fev.

Capacitação concedida pela Universidade do Coração objetiva estimular o profissional a rever os novos conceitos da vetoeletrocardiologia na última década

Sempre focada em oferecer conteúdo atualizado e criterioso, a Universidade do Coração SBC (UC/SBC) anuncia o lançamento do curso “Tópicos avançados de ECG para o cardiologista”, que objetiva estimular o profissional a rever os novos conceitos da vetoeletrocardiologia na última década. Totalmente online e com aulas assíncronas, será realizado na metodologia EAD.


“Trata-se de um curso avançado em relação ao primeiro, que ocorreu entre 2010 e 2012. Neste, trazemos as discussões que surgiram na última década a respeito de praticamente tudo que foi abordado em cada tópico do curso passado. Ou seja, fizemos um update da eletrocardiografia”, explica Carlos Alberto Pastore, coordenador do curso, presidente do grupo de estudo de Eletrocardiografia da SBC – Sociedade Brasileira de Cardiologia, professor da FMUSP – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e diretor do Serviço de Eletrocardiologia do InCor – Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP.


A eletrocardiografia é uma atividade bastante antiga, já são mais de 100 anos da descoberta do eletro. No entanto, ainda é uma ferramenta extremamente útil, rápida e barata, que está em todos os postos, prontos-socorros, consultórios e UTIs. “Por isso, é fundamental saber fazer a interpretação correta para extrair dela o melhor possível, e isso requer treinamento e discussão, o que fazemos há décadas”, destaca Pastore.


Atualmente, há exames mais sofisticados, como a ressonância, que acabam sendo a preferência de quem faz uma formação. Mas, na prática, o eletro está presente no dia a dia do cardiologista como uma ferramenta muito útil para o diagnóstico diferencial, dizer se o quadro é agudo ou não e quais os riscos. “Há uma procura enorme por cursos sobre ECG, porque na faculdade não há profundidade no assunto e, realmente, faz falta. Nossa capacitação permite ao aluno ter uma noção de 80% a 90% do que existe hoje dentro da área”, observa.


Entre os tópicos abordados está análise eletrovetorcardiográfica, que, segundo Pastore, é um assunto muito importante, tratado por ele na abertura do curso. “Geralmente, o ensino deste tema é focado em decorar os traçados do eletro, mas seguimos uma linha totalmente diversa. Explicamos como se forma o eletrocardiograma, como é a atividade elétrica do coração, como se obtém a informação do eletro e por que ele tem essa aparência. Com essa visão espacial do coração, da atividade elétrica e do eletrocardiograma, o profissional fica sabendo exatamente o que é o exame, para que serve e como ele se constrói”, detalha.


Para o coordenador do curso, o que acontece dentro dessa visão é repercutido em todas as áreas importantes da patologia. O aluno vai entender sobre doenças que são consideradas elétricas do coração, praticamente descobertas na última década. Não foi apenas o eletro que se desenvolveu, outras áreas, como genética e eletrofisiologia, também cresceram muito. “Para muitas questões que não entendíamos acabamos encontrando respostas no eletro em função do crescimento de outras áreas”, expõe.


Outros tópicos que fazem parte da grade são: cardiomiopatias adrenérgicas, cardiomiopatias isquêmicas, eletrofisiologia, taquicardias, repolarização ventricular, eletrocardiograma dos idosos e eletrocardiograma dos atletas. “Na pandemia, as pessoas não tinham possibilidade de atividades presenciais, portanto, nossos cursos à distância foram muito procurados por alunos de várias faculdades de medicina. Nisso, notamos a falta de uma capacitação que reunisse todos esses tópicos. De criança a adulto, novidades da arritmia, tudo que realmente está dentro do contexto do eletro.”


Com relação ao corpo docente, é formado pelos melhores especialistas do grupo de estudo de Eletrocardiografia do InCor, da Cardiopediatria da FMUSP e outros profissionais, todos extremamente experientes e com doutorado. São eles: Marina S. Pimenta, Mirella Facin, Leonardo Varoni, Bruna Madaloso, Caio Tavares, Horacio G. Pereira Filho e Nelson Samesima. “Os temas foram escolhidos em função da experiência destes médicos, porque eles vão a fundo em determinados tópicos, extraindo o que tem de mais sofisticado e mais novo na história. A busca foi por profissionais que estão vivendo o processo, inclusive, um deles acabou de concluir um doutorado na área infantil, ou seja, o assunto está fresco e atual”, ressalta Pastore.


Neste momento, os cursos estão sendo à distância para reunir mais pessoas. A média de participantes é de 500 a 1000, podendo até ser mais. Pastore salienta que as plataformas estão cada vez melhores e é possível realmente mostrar tudo com qualidade. “A parceria com a SBC é muito importante. Nosso grupo participa das atividades de eletro junto com os Congressos Brasileiros de Cardiologia, então, para nós, esse curso é um reforço dentro do que já estamos fazendo.”


A previsão de abertura das inscrições é fevereiro de 2022. Elas podem ser feitas pelo site da Universidade do Coração, no Portal Cardiol: https://www.universidade.cardiol.br/. Haverá desconto de 30% para associado da SBC adimplente.

446 visualizações