Metrô de São Paulo apoia campanha da SBC e alerta população sobre hipertensão

Atualizado: Mai 14

De abril até o final de julho, vídeo informativo sobre a doença será veiculado em painéis eletrônicos nas plataformas de acesso das estações e nas Redes Sociais do Metrô de São Paulo. Ação iniciou na semana do Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial, 26/4


Até o final do mês de julho, em alusão ao Dia Mundial da Hipertensão, 17/5, a Campanha da Hipertensão da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) receberá o apoio do Metrô de São Paulo. Em painéis eletrônicos nas plataformas ficará disponível um vídeo de alerta para a população e mensagens serão postadas nas Redes Sociais. A hipertensão é uma doença crônica não transmissível (DCNT) definida por níveis alterados da pressão, em que os benefícios do tratamento superam os riscos.


Em 26 de abril o Brasil lembrou o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial, data para conscientizar sobre a importância do diagnóstico preventivo e do tratamento da doença, que tem prevalência na população adulta brasileira em torno de 35%.


A SBC recomenda que o paciente hipertenso não deixe de procurar seu médico para fazer os controles necessários da pressão arterial. A pandemia do coronavírus fez com que muitas pessoas deixassem de ir ao médico por medo de sair à rua, o que aumenta o risco de hipertensão arterial não controlada. É imprescindível que o indivíduo mantenha sua pressão controlada, evitando assim complicações mais graves em caso de Covid-19.


Outras ações


O Departamento de Hipertensão Arterial (DHA) da SBC realizou no dia 24 de abril a Maratona das Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial 2020, a maior imersão em todos os conteúdos relacionados ao tema. Foram 12 horas de programação ininterrupta, ao vivo, com os maiores especialistas do País, debatendo as diretrizes que foram atualizadas em novembro do ano passado.


No Dia Nacional de Combate à Hipertensão Arterial, a SBC promoveu um evento online que reuniu nomes importantes da saúde em âmbito mundial para discutir o tema e chamar a atenção da importância desta data.


E no dia 28 de abril, a hipertensão foi tema de aula do Projeto Cuidando do Coração, parceria entre a SBC e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) para promover conjuntamente a educação de equipes de saúde dedicadas à atenção primária de municípios brasileiros nos temas relativos à prevenção das doenças cardiovasculares. Os encontros são mensais com transmissão pelo canal do YouTube do Conasems, com a participação de profissionais especialistas sobre os temas estruturados e produzidos pela SBC.


Tratamento é principal aliado


No Brasil, cerca de 300 mil mortes por ano ocorrem por doenças cardiovasculares. A cada dois minutos uma pessoa sofre um acidente vascular cerebral (AVC) ou um infarto agudo do miocárdio. Em 80% dos óbitos por AVCs e em 60% dos decorrentes infartos os pacientes apresentavam hipertensão arterial.

“O cenário é ainda mais grave quando se analisamos que 35% da população brasileira tem pressão arterial elevada. Desses hipertensos, 20% no máximo tem a pressão arterial controlada. Isso porque o grande problema que temos no Brasil é fazer com que as pessoas adiram ao tratamento tanto com medicamentos como com medidas não medicamentosas e práticas de vida saudável”, enfatizou o presidente da SBC, Celso Amodeo.


Ao reconhecer qualquer um dos sintomas, como alteração do movimento e / ou da sensibilidade em uma parte do corpo; dificuldade de fala ou compreensão; dor de cabeça intensa e súbita; tontura ou alteração no equilíbrio; alteração da visão e/ou dificuldade para enxergar, náusea ou vômito, dificuldade para engolir e/ou perda da consciência (desmaio) – é importante procurar ajuda médica, pois os profissionais de saúde têm um curto espaço de tempo para atuar: a cada minuto, milhões de neurônios podem ser perdidos durante um AVC. Quanto mais cedo for iniciado o tratamento, maior é a chance de recuperação.

87 visualizações