• Cardiol

Médico que fez prova internado na UTI se torna especialista em cardiologia

O cearense Daniel Lucena Aguiar teve complicações por conta da Covid-19 e contou com o apoio da SBC, que, em 2020, realizou o Exame para Obtenção do Título de Especialista em Cardiologia (TEC) exclusivamente online



A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e a Associação Médica Brasileira (AMB), realizaram no último dia 20 de dezembro, de maneira exclusivamente online, o Exame para Obtenção do Título de Especialista em Cardiologia (TEC). Participaram 1.257 candidatos, dos quais 400 foram aprovados.


A Comissão de Julgamento do Título de Especialista em Cardiologia (CJTEC) da SBC assessora a Sociedade em assuntos referentes ao título de especialista, credenciamento de entidades formadoras e capacitadoras em cardiologia e ao curso nacional de reciclagem. É dela a responsabilidade pela execução de todo o processo seletivo.


Em 2020 uma história de esforço e dedicação chamou a atenção da CJTEC. Um candidato ao título de especialista em Cardiologia fez a prova enquanto estava internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), com um quadro agravado por Covid-19. O empenho do médico cearense Daniel Lucena Aguiar, foi recompensado e ele foi aprovado.

Aguiar tem 35 anos e graduou-se em Medicina em 2011, pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Em 2013 ingressou na Residência de Clínica Médica do Hospital Universitário Walter Cantídio, em Fortaleza (CE), momento em que passou a atuar constantemente em UTI. Em 2016 foi aprovado na Residência em Cardiologia do Hospital de Messejana, também em Fortaleza.


“Desde o início da pandemia tenho trabalhado diretamente com pacientes com Covid, cheguei a dar plantões em UTIs e emergências e nove meses depois fui infectado. O que parecia ser algo simples - começou como um quadro gripal, dor de garganta, coriza -, a partir do sétimo dia evoluiu para um quadro de febre contínua que não melhorava com nenhuma medicação. Três dias após sentir-me mal pela primeira vez precisei me internar, porque a tomografia realizada mostrava um comprometimento de quase metade do meu pulmão e minha oxigenação piorava. Resolvi me internar para ter uma melhor assistência”, contou Aguiar ao jornalismo da SBC.


O médico foi internado na quinta-feira, dia 17 de dezembro, e no sábado, véspera do exame para o TEC, foi transferido para a UTI. Mesmo sem apresentar nenhum tipo de comorbidade, o susto pelo agravamento da doença em poucas horas foi grande. Aguiar precisou utilizar um cateter de alto fluxo, que é um dispositivo que oferece oxigênio em grandes quantidades para melhorar a respiração.


“Eu vinha focado para fazer essa prova desde o início do ano. Comecei 2020 com esse objetivo: fazer o exame e ser aprovado. Me matriculei em um curso preparatório. Estava preparado para fazer a prova. Quando fiquei doente o que eu mais temia era que esse projeto de um ano inteiro não se concretizasse. Eu queria a aprovação, o título. Agradeço a SBC por ter colocado à nossa disposição o teste de maneira online, porque se assim não fosse, eu jamais teria condições de viajar para fazê-lo. Tive condições mesmo dentro da UTI. Estava acessível a mim e a outras pessoas, que ou estavam doentes ou não podiam viajar naquele momento”, ressaltou Aguiar.


Para ele, sentir-se apto para a realização do exame foi um dos motivos para não ter desistido. Durante todo o ano, o médico se preparou, focou e ao sentir uma breve melhora ainda na UTI, sabia que era para que pudesse ir em busca da concretização desse objetivo de vida. Quando tudo parecia estar fora do seu controle, Aguiar sabia que seu conhecimento ainda estava consigo. Foi o que lhe trouxe conforto.


“A SBC é uma das sociedades mais respeitadas dentro do Brasil, e uma das mais organizadas do mundo. Ativa, está sempre buscando melhorias e a TEC é um grande filtro entre os cardiologistas que desejam ingressar nela. É uma grande honra. Uma sociedade tradicional, com um grande histórico. Com o passar dos anos observamos que a cardiologia está se tornando uma especialidade muito procurada, o título te coloca em uma posição melhor dentro do mercado de trabalho. Penso que quanto mais você se diferenciar, quanto mais você se subespecializar e possuir cursos e certificados, melhor para o mercado. Ainda mais que eu trabalho bastante com iniciativa privada. Isso é de fato um diferencial”, afirma Aguiar.

2,366 visualizações