Importância dos cuidados com a saúde do coração das mulheres é destaque em edição especial da IJCS

Atualizado: 23 de Jul de 2021

Revista foi lançada durante o 3º Simpósio Mulheres do Coração e traz artigos que abordam Covid-19, disparidades dos sexos, prevenção aos fatores de risco às doenças cardiovasculares, entre outros


A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), lançou, durante o 3º Simpósio Mulheres do Coração, no dia 17 de julho, edição especial da revista International Journal of Cardiovascular Sciences (IJCS): Doenças Cardiovasculares nas Mulheres, inteiramente dedicada à importância dos cuidados com a saúde do coração do sexo feminino e da prevenção aos fatores de risco. As doenças cardiovasculares matam um terço dessa população no mundo. A IJCS especial sobre as Doenças Cardiovasculares nas Mulheres já está disponível AQUI.


“O lançamento dessa edição especial é extremamente feliz para todos nós. A IJCS, desde a sua entrada na SBC, em 2015, já nos permitiu algumas oportunidades de produzirmos edições temáticas. A primeira foi sobre exercício físico, a segunda sobre cardiologia translacional, a terceira sobre Doença de Chagas e agora uma inteiramente dedicada às mulheres. 40% dos artigos publicados nessa edição possuem autores estrangeiros. Uma das metas que temos na SBC é buscar a internacionalização e a colaboração com outros países e pesquisadores”, disse o editor-chefe da publicação, Cláudio Tinoco Mesquita.


O editorial é assinado pelo presidente da World Heart Federation (WHF) e professor da Universidade de Lisboa, Fausto Pinto. Segundo ele, esta edição ocorre em um momento em que a comunidade médica e científica está finalmente abordando uma questão importante e que tem sido, de alguma forma, negligenciada ao longo dos anos, que é a igualdade de gênero para lidar com questões científicas e de saúde.


“É fundamental continuar a implementar medidas que ajudam a reduzir e, esperançosamente, acabam com todas as lacunas relacionadas com as desigualdades de gênero. Isto é um compromisso de longa de toda a comunidade científica e, particularmente, sua liderança deve encorajar, nutrir e implementar. Muito ainda precisa ser feito. Cabe a todos nós garantirmos que isso aconteça”, destacou Fausto Pinto.


Além da apresentação feita pelo presidente da WHF, a revista traz artigos sobre Covid-19 – alguns até já sendo discutidos nas mídias sociais; outros sobre as disparidades dos sexos; sobre prevenção de doença cardiovascular, e sobre vulnerabilidade.


Os estudos publicados nesta edição especial da IJCS também destacam que o risco cardiovascular em mulheres brasileiras, principalmente em idades jovens, tem mudado nos últimos anos, com aumento da obesidade, diabetes e hipertensão arterial, de acordo com dados da Global Burden of Disease 2019. No entanto, a maioria deles são evitáveis ​​por meio de estilos de vida saudáveis ​​na população e níveis individuais.


Além disso, as mulheres têm pior prognóstico em relação aos homens em várias enfermidades, como doença cardíaca isquêmica, infarto do miocárdio, doenças da válvula mitral e endocardite infecciosa. São destacados ainda os diversos aspectos da desigualdade revelados pela Covid-19 na vida das mulheres que estão atuando na linha de frente do setor de saúde.


“Trazemos uma análise baseada nos gêneros com relação à endocartite infecciosa feita pelo grupo do Dr. Fausto Pinto, na Universidade de Lisboa. A Dra. Catarina Souza é a primeira autora desse estudo, que nos mostra por que é importante avaliar homens e mulheres com relação a endocartite. Os autores encontraram que as mulheres têm menor probabilidade de serem operadas e quando operadas têm uma maior mortalidade. A maior mortalidade no sexo feminino não é justificada pelas comorbidades e isso tem sido visto, por isso devemos garantir a necessidade de mais investigação sobre o tema. Muito do que se aplica aos homens não se aplica às mulheres e pode ter até efeito contrário”, explica Mesquita.


É fundamental promover iniciativas para aumentar o conhecimento sobre a importância da saúde cardiovascular em todas as mulheres e compreender melhor as disparidades locais na saúde cardiovascular da população feminina para definir políticas públicas e cuidados de saúde para mudar essa realidade.


“A biologia de homens e mulheres é totalmente diferente e esse tipo de iniciativa, como o IJCS especial sobre mulheres, realmente faz toda a diferença. A SBC, com essa liderança incrível, colocou diversidade, inclusão e equidade de gênero como uma prioridade na educação”, disse a professora e diretora de pesquisa cardiovascular intervencionista e ensaios clínicos do Zena and Michael A. Weiner Cardiovascular Institute e editora convidada, Roxana Mehran.


Este número especial da revista IJCS totalmente dedicado à saúde da mulher pretende disseminar o conhecimento sobre os aspectos cardiovasculares nas, de modo a promover mais cuidados com a saúde feminina e mudar a realidade atual.


O ministro da Saúde do Brasil e presidente licenciado da SBC, Marcelo Queiroga, participou da cerimônia de lançamento.


“A IJCS é uma das revistas que a cada dia recebe mais publicações e queremos que ela atinja um fator de impacto muito elevado e seja uma oportunidade muito forte para os pesquisadores, não só do Brasil, mas da nossa comunidade lusófona e também outros países, terem suas pesquisas publicadas”, afirmou Queiroga.


Acesse a IJCS especial sobre as Doenças Cardiovasculares nas Mulheres AQUI.




76 visualizações