Impacto da insuficiência cardíaca nas hospitalizações e mortalidade: comparativo com o câncer

Artigo completo está na edição de julho/agosto da revista IJCS


Devido ao seu prognóstico ruim e taxas de mortalidade, a insuficiência cardíaca (IC) tem sido reconhecida como uma doença maligna, condição comparável a alguns tipos de câncer em países desenvolvidos. A edição de julho da revista International Journal of Cardiovascular Sciences (IJCS), disponível a partir do dia 7/7, traz uma pesquisa que compara a mortalidade por IC e cânceres prevalentes usando dados de um banco de dados nacional. Os dados foram analisados segundo diagnóstico principal, ano de ocorrência (2005-2015), sexo e faixa etária.


De acordo com o estudo, os cânceres selecionados foram responsáveis ​​por maior mortalidade, menor internação e maior mortalidade intra-hospitalar. Em uma análise de grupo, a IC apresentou taxas de mortalidade de 100-150 por 100.000 habitantes no período,

inferior aos cânceres selecionados. No entanto, a IC teve uma taxa de mortalidade maior do que cada tipo de câncer, mesmo quando em comparação com os mais prevalentes e mortais. Em relação às taxas de hospitalização, a IC foi associada a maior risco quando comparada às condições relacionadas ao câncer como um grupo.


Os achados dos autores indicam que a IC tem importante impacto na mortalidade, hospitalização e mortalidade intra-hospitalar, comparável ou até pior do que alguns tipos de câncer, representando um potencial ônus para o sistema de saúde.


Leia o artigo na íntegra na revista IJCS, edição de julho/agosto de 2022. Acesse: https://ijcscardiol.org/article/the-medical-burden-of-heart-failure-a-comparative-delineation-with-cancer-in-brazil/


94 visualizações