Estudo compara a prática de TAVI na América Latina com outras partes do mundo

Atualizado: 15 de jun.

Trabalho publicado no ABC Cardiol de junho buscou avaliar as mudanças na metodologia na América Latina, de 2015 a 2020


O implante transcateter de válvula aórtica (TAVI) vem sendo adotado no mundo todo para o tratamento da estenose aórtica, importante sintomática em pacientes de vários perfis de risco. Este feito foi alcançado ao longo de mais de uma década de avanços da tecnologia e da assistência ao paciente. Como consequência, as práticas de TAVI têm evoluído rapidamente, resultando em melhora significativa dos desfechos clínicos.


Na América Latina, os primeiros procedimentos de TAVI foram realizados em 2008, no Brasil e na Colômbia. A despeito do crescimento regular dos casos observados desde então, existe a preocupação quanto à adoção das práticas mais atuais pelos centros latinoamericanos. Nos países em desenvolvimento, disparidades na prática de procedimentos médicos de alto custo podem ser exacerbadas devido a vários fatores, como sistemas de saúde de menor renda, menores volumes de procedimento nos centros, menor experiência dos operadores e indisponibilidade de certos dispositivos.


Compreender tais diferenças é crucial para o melhor entendimento das práticas contemporâneas e para a busca de padronização dos serviços. Além disso, pode auxiliar no desenvolvimento de políticas pelos reguladores locais para a maior difusão da TAVI nas populações desassistidas, considerando que publicações científicas latinoamericanas sobre o tema são limitadas.


Publicado nos Arquivos Brasileiros de Cardiologia (ABC Cardiol) de junho, o artigo “Evolução e estado atual das práticas de Implante Transcateter de Válvula Aórtica na América Latina – Estudo WRITTEN LATAM” buscou comparar a prática de TAVI na América Latina com aquela no resto do mundo e avaliar suas mudanças, de 2015 a 2020.


A pesquisa foi realizada em centros de TAVI em todo o mundo, entre março e setembro de 2015, e novamente nos centros latino-americanos, entre julho de 2019 e janeiro de 2020. As seguintes questões foram abordadas: i) informação geral sobre os centros; ii) avaliação pré-TAVI; iii) técnicas do procedimento; iv) conduta pós-TAVI; v) seguimento. As respostas da pesquisa dos centros latino-americanos em 2015 (LATAM15) foram comparadas àquelas dos centros no resto do mundo (WORLD15) e ainda àquelas da pesquisa dos centros latino-americanos de 2020 (LATAM20). Adotou-se o nível de significância de 5% na análise estatística.


O estudo concluiu que, independentemente do volume de procedimentos ainda significativamente menor, muitos aspectos da prática de TAVI nos centros latino-americanos evoluíram recentemente, acompanhando a tendência dos centros dos países desenvolvidos.


Referência: BernardiFLM, RibeiroHB, Nombela-FrancoL, CerratoE, MaluendaG, NazifT, LemosPA, et al. Evolução e Estado Atual das Práticas de Implante Transcateter de Válvula Aórtica na América Latina – Estudo WRITTEN LATAM. Arq. Bras. Cardiol. 2022;118(6):1085-96.


Para conferir os resultados e ler o artigo na íntegra, acesse: Evolução e estado atual das práticas de Implante Transcateter de Válvula Aórtica na América Latina – Estudo WRITTEN LATAM


44 visualizações