A história da Cardiologia Brasileira escrita nas páginas da família ABC Cardiol

Pelo fator de impacto, a publicação da Sociedade Brasileira de Cardiologia é a revista cardiovascular número um da América Latina.


Com mais de 70 anos de existência, os Arquivos Brasileiros de Cardiologia (ABC Cardiol) é um dos principais veículos de divulgação das pesquisas científicas brasileiras na área das ciências cardiovasculares. Publicado em dois idiomas e indexado nas principais bases de dados internacionais, todas as contribuições científicas publicadas são revisadas por pares, por membros do Conselho Editorial, selecionados entre os mais importantes pesquisadores do Brasil e de fora do país. A aceitação dos trabalhos é feita de acordo com sua relevância e originalidade, acurácia científica e nível de importância para o avanço da ciência. Com um tempo médio de apenas nove meses entre a submissão do artigo e a sua publicação e de menos de sete meses até a sua disponibilização no PubMed, os Arquivos Brasileiros de Cardiologia conseguem garantir aos pesquisadores a rápida inserção de seu trabalho na literatura internacional.


O nome foi facilmente escolhido, sugerido pela revista similar francesa, Archives de Maladie du Coeur. Com 600 exemplares, tinham 112 páginas e incluíam sete artigos, cinco dos quais ‘trabalhos originais’, um ‘caso clínico’ e mais um apresentado como ‘conferência’. O artigo principal era do norte-americano Robert H. Bayley, ‘The Electrocardiographic Evidence of Local Ventricular Ischemia’, mas esse primeiro número apresentava uma revisão de Dante Pazzanese: “A estrofantina no tratamento da Insuficiência Cardíaca”.


A receptividade do periódico foi tão grande que de quadrimestral a revista passou em 1960 a ser bimestral, aumentando a tiragem para 2.500 exemplares. Em 1979 tornou-se mensal e passou a ser a única revista brasileira mensal registrada no Index Medicus. Em 1981 os Arquivos já rodavam 5.000 exemplares e veiculavam os principais trabalhos apresentados no congresso anual da SBC.


Em julho de 2021, pela primeira vez na história, o ABC Cardiol recebeu fator de impacto de 2,0, isso significa que os artigos publicados pela revista tiveram, em média, duas citações por publicação. A base estatística para o fator de impacto é a Journal Citation Reports (JCR), da editora Clarivate Analytics, um recurso que permite avaliar e comparar publicações científicas utilizando dados de citações extraídos de revistas acadêmicas e técnicas, e seu impacto na comunidade científica. A métrica vale para citações que ocorreram no ano de 2020 e considera as edições de dois anos anteriores, portanto, 2018 e 2019.


Dr. Carlos Rochitte

"O fator de impacto é um índice que dá a qualidade da publicação científica e se baseia em algo que pouco se pode controlar, quando os artigos que você publica são citados por outras revistas, por outros artigos científicos. É muito difícil de você aumentar esse fator, é super concorrido, porque as pessoas geralmente citam as revistas mais conhecidas, então você tem que realizar um trabalho muito forte de seleção dos artigos que serão publicados em sua revista, para eles serem citados por outros colegas em outras publicações”, explica o atual editor-chefe, Carlos Eduardo Rochitte.


​​O ABC Cardiol recebe 1.722 submissões de trabalhos para publicação por ano, encaminhados à SBC mensalmente 143 trabalhos, em média. Desses, somente 46 são aprovados para publicação, o que representa que cerca de 24,7% dos artigos submetidos são aprovados, isso desde 1948, quando foi publicada a primeira edição da revista científica. É importante destacar que grande parte do conteúdo dos Arquivos Brasileiros de Cardiologia vem das universidades brasileiras, dos programas de pós-graduação, mostrando a importância da publicação para a identificação das doenças e de melhores estratégias de enfrentamento das patologias.


Outra publicação, essa bimestral, que integra o portfólio de periódicos da Sociedade Brasileira de Cardiologia, é o “International Journal of Cardiovascular Sciences”, edição de manuscritos científicos sobre temas cardiovasculares com ênfase em artigos originais, que contemplem aspectos de epidemiologia, estudos multidisciplinares, avaliações de qualidade assistencial, desenhos de ensaios clínicos e trabalhos de centros únicos e multicêntricos, contribuindo para a divulgação da produção científica no âmbito das ciências cardiovasculares.



Dr. Claudio Tinoco

Criado em 2015, ele tem 49% dos artigos que lhe são submetidos anualmente aprovados e, assim como o ABC Cardiol, seu conteúdo está disponibilizado nas principais plataformas de publicações científicas mundiais. “Entre 2017 e 2020, foram mais de 573 mil acessos aos documentos do IJCS na plataforma Scielo, gerando 379 citações ao ABC Cardiol”, pontua Cláudio Tinoco, editor-chefe. “É por isso que as revistas investem tanto nas famílias, porque elas fazem com que as publicações interajam entre si e tornem toda aquela ciência mais visível. A internacionalização e o desenvolvimento de famílias de revistas são passos fundamentais para a solidificação das produções científicas brasileiras.”


Já a recém-lançada revista “ABC Heart Failure & Cardiomyopathy” (ABC HF) é um periódico do DEIC, trimestral, bilíngue, nasceu com a missão de divulgar o conteúdo de pesquisas científicas nacionais e internacionais nas áreas de insuficiência cardíaca (IC) e cardiomiopatias. Além disso, promove o debate científico nessas áreas respectivas da cardiologia por meio da publicação de editoriais, artigos originais, de revisão, cartas e perspectivas sobre os mais recentes e desafiadores tópicos nas especialidades citadas.


“Esse foi um momento histórico para a ciência e a pesquisa brasileiras o lançamento da ABC HF, idealizada há 12 meses, e que representa um robusto legado nas áreas de atividades científicas e de associativismo da cardiologia brasileira, o qual tenho orgulho de estar à frente”, afirmou Evandro Tinoco Mesquita, presidente do DEIC e da Universidade do Coração, da SBC.


Há ainda a Newsletter Científica da SBC, lançada em janeiro de 2020, com foco na difusão do conhecimento científico qualificado, contendo as mais recentes publicações da Cardiologia, comentadas pela equipe editorial do Portal Cardiol, por intermédio do trabalho dedicado dos Editores Marianna Andrade e Antônio Barcelar, como também, dos Editores Associados Fernando Bernardi, Humberto Graner, Julio Marchini, Rodrigo Cerci, Samuel Moscavitch e Vinícius Esteves.


Para o professor Fausto Pinto, diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e presidente da World Heart Federation (WHF), o Brasil é um importante aliado na ciência mundial, principalmente na cardiologia, onde é um líder na produção de conhecimento científico, o que reforça o protagonismo de excelência das publicações da SBC. “O intercâmbio entre os vários grupos de pesquisa na América Latina e até mesmo mundial, principalmente através de sua produção acadêmica, faz do Brasil uma referência global, o que se traduz para conteúdo relevante a ser disseminado através de suas publicações”, disse Fausto.

56 visualizações