top of page

Comitê Científico recebe o impacto positivo em mudança de Governança da SBC

Atualizado: 1 de dez. de 2022

Aumento na produção, maior representatividade regional

e valorização de novos talentos indicam sucesso.







Com 348 atividades (desdobradas em 892 subatividades) em 488 horas/aula, o 77º Congresso Brasileiro de Cardiologia, que neste ano aconteceu concomitantemente ao Congresso Mundial de Cardiologia, é apenas a ponta do iceberg quando buscamos compreender a relevância da produção científica brasileira em Cardiologia.


Isto porque não é de hoje que nosso país vem se destacando mundialmente, como um celeiro de pesquisa na área e o papel da Sociedade Brasileira de Cardiologia nessa jornada tem sido decisivo ao longo dos anos. Além do aumento quantitativo na publicação científica, a qualidade vem se tornando referência não apenas dentro da especialidade, mas do ponto de vista mais amplo em saúde pública.


Em 2022, a partir do novo modelo de governança e das mudanças estatutárias, ficou estabelecido que a Comissão Científica seja coordenada por um dos membros do Conselho de Administração, devendo sua composição ser indicada pelo próprio Conselho.


Paulo Caramori, coordenador do Comitê Científico da SBC em 2022, junto com Denílson Albuquerque e Weimar Barroso, foram responsáveis pela mudança em diversos processos e paradigmas da SBC, que envolvem as múltiplas atividades do científico.


"Importante destacar que os esforços desse grupo de trabalho foram não só concentrados na preparação das atividades científicas, mas também, intensivamente focados em desenvolver todas as instâncias e departamentos que compõem a estrutura científica da sociedade", destaca Paulo Caramori.


Ainda de acordo com o coordenador, logo de início foi determinado pela Comissão que todas as atividades científicas da SBC deveriam ser permeadas por uma filosofia que garantisse sistematicamente a qualidade científica das atividades, mas que também pudesse dar atenção adicional à busca de novos talentos, bem como à representatividade regional da instituição.


Adicionalmente, a inclusão focada em equidade de gênero também tem sido um objetivo de toda a SBC e, consequentemente, do Comitê Científico. A Sociedade Brasileira de Cardiologia possui aproximadamente 30% de mulheres em seus quadros sociais e, nos últimos anos, entre os sócios mais jovens, as mulheres representam cerca de 50%.


E desta forma, o Comitê Científico, sob esta nova perspectiva, criou um novo modelo organizacional, aprovado pelo Conselho Administrativo, que se consolidou nas Diretrizes SBC de representatividade na realização de atividades científicas. Estas diretrizes impactaram a indicação dos componentes e a condução dos trabalhos de importantes instâncias científicas da nossa sociedade, como o Condir (Conselho de Normatizacões e Diretrizes da SBC), o comitê gestor da Universidade do Coração e o comitê do Procardiol.


"Seguimos a premissa de indicar 5 membros por critérios técnicos e

profissionais mas também contemplando parâmetros de representatividade de todos os sócios da SBC, uma instituição verdadeiramente nacional", aponta. Este posicionamento foi ratificado pelo Conselho Administrativo da SBC.


Diretrizes SBC de representatividade na realização de atividades científicas:


  • Todos os participantes deverão ser sócios adimplentes e possuir o Título de Especialista em Cardiologia

  • Os nomes sugeridos deverão priorizar os critérios de experiência relacionada ao tema, notório saber e capacidade de comunicação

  • O responsável pela atividade deve sempre buscar uma composição de participantes que atinja os seguintes critérios:

a) possua abrangência nacional, com a representação das diferentes regiões do País que compõem a SBC

b) inclua jovens proeminentes, incentivando a renovação constante do quadro de palestrantes, mesclando com sócios mais experientes (sêniors).

c) possua uma distribuição de sexo similar a representação associativa da SBC

  • A abordagem de temas não cardiológicos poderá ser considerada sempre que a contribuição cientifica seja justificada.


O detalhamento de todas as atividades do Comitê Científico desenvolvidas ao longo do ano poderá ser acessado no Relatório Anual do Comitê Científico que será enviado a todos os sócios e ficará disponível no site.


Paulo Caramori

“Todo o nosso trabalho ao longo de 2022 foi caracterizado pela união e o comprometimento de um grande número de pessoas muito competentes que fazem parte das indicações do Comitê Científico, aprovadas pelo Conselho Administrativo da SBC, para constituição dos vários grupos e comitês que compõem a atuação científica de nossa entidade”. Paulo Caramori





Clique aqui e conheça as Diretrizes e Posicionamentos 2022



2022: ano de mudanças e resultados


  • O 77º Congresso Brasileiro/Mundial de Cardiologia registra recorde no país na inscrição de temas livres


O ano de 2022 foi marcado pela realização do maior produto científico da história da SBC, o 77º Congresso Brasileiro/Mundial de Cardiologia, que aconteceu em outubro no Rio de Janeiro, sendo realizado em parceria com World Heart Federation.


Os mais de 12 mil participantes, que tornaram o evento o maior da América Latina, puderam conferir 687 palestrantes, somando 704 quando considerados os palestrantes do Hands On e patrocinados, entre brasileiros e 104 (internacionais).




Congresso em Números:


Palestrantes nacionais: 587

Palestrantes internacionais: 101 (74 presenciais e 27 online)

Nº de países representados: 19

Temas Livres submetidos: 2219

Temas Livres aprovados: 1357 (com destaque para 1210 do Brasil, 29 de Portugal, 11 dos Estados Unidos, 10 da Argentina, 10 da Polônia, 9 da Rússia e 8 da Índia)

Temas Livres julgadores: 357



A proposta de maior diversidade e projeção nacional da SBC pôde ser constatada no evento com uma distribuição bastante avançada do ponto de vista da equidade, quando olhamos para as atividades apresentadas e palestrantes dos mais diversos estados brasileiros. Internacionalmente, também esteve presente na programação conferencistas de 12 países distintos.


Palestrantes internacionais por país:




Palestrantes nacionais por Estado:





Toda esta pujança entre conteúdos diversos, relevantes e ministrados por personalidades das mais importantes áreas da Cardiologia do mundo não teria sido possível sem a atuação harmoniosa e a dedicação integral entre o Comitê Científico e a CeCon (Comissão Executiva Organizadora da Programação Científica).


O resultado de todo este esforço foi consagrado em um recorde de temas livres apresentados no conjunto de todos os Congressos já realizados na história da SBC: 1357 no total, com destaque para 1210 do Brasil, 29 de Portugal, 11 dos Estados Unidos, 10 da Argentina, 10 da Polônia, 9 da Rússia e 8 da Índia.


“Tenho certeza de que todos os membros do CeCon se sentiram privilegiados de terem participado da organização de um evento que foi tão inspirador e, ao mesmo tempo, super qualificado, inclusive do ponto vista internacional quando comparamos com outras iniciativas ao redor do mundo. É fácil constatar a importância da cardiologia brasileira ao olharmos para o que construímos ao longo de 2022”, avalia Caramori.


É, ainda, perceptível o esforço contínuo da SBC em se tornar presente e relevante nacionalmente quando observamos os temas livres aprovados por estados no 77º Congresso Brasileiro de Cardiologia.


Submissão de Temas Livres aprovados por estado:




Futuro mais digital atrai novos talentos e sócios fora dos grandes centros


A transformação digital, fenômeno que teve sua consolidação amplamente acelerada na pandemia, também foi percebida como um ativo importante na condução de todos os processos de gestão na SBC.


No Comitê Científico, não apenas não foi diferente como criou-se uma oportunidade bastante relevante para a realização de atividades virtuais muito importantes como os webinars. Ainda que a primeira edição do projeto tenha sido realizada em dezembro de 2019, os anos de 2020 e 2021 foram fundamentais para que este formato tenha atraído para valer o interesse do público.


"Estes webinars se converteram em uma oportunidade única para que sócios de todo Brasil, incluindo os que estão distantes dos grandes centros, possam participar de atividades de altíssimo nível e com personalidades de referência nacional e internacional ", ressalta Paulo Caramori.


Ao longo de todo ano de 2022, todos os departamentos e comissões, sob a coordenação do Comitê Científico, realizaram, às quintas-feiras e aos sábados, eventos com participação de grandes especialistas reconhecidos nacionalmente e internacionalmente sobre os mais variados temas de interesse.


Neste período foram realizados mais de 50 webinars, produzidos pelos departamentos da SBC ou diretamente pelo Comitê Científico, discutindo temas de importância para o cardiologista, incluindo novas diretrizes, estudos clínicos apresentados ao logo do ano em congressos internacionais e temas relacionados aos principais assuntos em destaque no 77º Congresso Brasileiro e Mundial de Cardiologia 2022. Grandes nomes da ciência cardiovascular brasileira e mundial marcaram presença, sempre com a integração do Comitê Científico, com as lideranças dos departamentos, da CeCon, do Conselho Administrativo da SBC e da World Heart Federation.


"Além de aproximar, por meio da tecnologia, os cardiologistas das mais variadas regiões do país, contribuindo para o esforço de tornar a SBC uma entidade verdadeiramente nacional, o projeto Webinars SBC estimula toda comunidade da nossa sociedade a participar e compartilhar os avanços nas múltiplas as áreas da nossa Cardiologia", pondera.


Webinars em números

Número de webinars realizados até o momento: 51

Webinars com a programação de departamentos: 11

Webinars com a programação de publicações: 7

Máximo de público (Covid-19 e sistema cardiovascular- março): 333

Média de público: 147


Clique aqui e acesse o calendário geral dos webinars da SBC



App Cardiol


Ainda no 77º Congresso Brasileiro de Cardiologia, a SBC deu um novo salto importante em direção ao universo digital enquanto, ao mesmo tempo, valorizou a inserção de seus sócios mais jovens na produção de conteúdo científico.

A entidade lançou o Cardiol mobile, aplicativo que tem como objetivo a interatividade e a divulgação regular de estudos científicos, bem como a discussão de casos clínicos.


Com acesso exclusivo aos médicos associados da SBC, os conteúdos compartilhados no App Cardiol são divididos na plataforma em 4 grandes áreas, tendo cada uma delas um médico-curador, responsável pela seleção de casos complexos encontrados em consultórios e produção dos mesmos.


“Optamos por escolher jovens profissionais que pudessem transformar esta iniciativa em uma oportunidade de interação e se familiarizar com a produção e divulgação científica. Há também a preocupação com a atração do público jovem não apenas por conta da interlocução entre jovens curadores, mas por meio da própria plataforma”, analisa Caramori.


Além disso, há também espaço para a troca de informações entre os usuários, esclarecimento de dúvidas e debates sobre as condutas relacionadas a esses casos. Confira as áreas:





Curadoria

O médico Sérgio Nascimento, Doutor em Ciências da Saúde pela Universidade de Pernambuco e Hemodinamicista do Hospital Agamenon Magalhães, Recife/PE, é o responsável pelo Grupo 1.


"Além de podermos discutir casos do seu dia a dia na cardiologia, você encontrará artigos e diretrizes da Sociedade para consultar facilmente em um só lugar. Muita praticidade para agregar ainda mais conhecimento para o sócio e usuários em geral", afirma Sérgio.


Arthur Felipe Giambona Rente, cardiologista do HCor, Beneficência Portuguesa de São Caetano do Sul e Rede D'or São Luiz, é o responsável pelo Grupo 2.


"Minha expectativa é que todos os sócios discutam casos e tragam ideias junto a essa ferramenta pelos quatro cantos do país e seja uma plataforma de discussão e estudo completa com a qualidade e excelência vinculada à SBC", destaca.


O médico cardiologista Renato Kaufman, doutor pela UERJ, responde pela curadoria do grupo 3. "Este projeto traz uma oportunidade única de integrar cardiologistas de todo Brasil em discussões de casos clínicos reais e uma oportunidade inédita de interação com alto nível técnico", comenta Renato.


Andréa Lilopolis, cardiologista do corpo clínico dos hospitais Hcor e Albert Einstein, responde pelo Grupo 4.


"Este aplicativo é uma extensão da nossa residência de cardiologia, um ambiente onde temos discussões de casos clínicos reais, com diferentes pontos de vista de diversas subespecialidades da cardiologia. Um local para tirar dúvidas do seu dia a dia e formar virtualmente um heart time para ajudar a manejar alguns casos, desde os mais simples como os mais complexos", completa Andrea.


Saiba como baixar o aplicativo e um pouco mais da SBC aqui.


60 visualizações
bottom of page