top of page

Campanha “Parou por quê?” 2022 alcançou 78 milhões de pessoas, mais que o dobro do ano anterior

Com forte presença nas redes sociais, TV e rádios, “Parou por quê?” foi apresentada mais de 78 milhões de brasileiros em 2022










A campanha “Parou por quê?”, realizada pela Sociedade Brasileira de Cardiologia com o apoio da Novartis e que tem como objetivo incentivar a prevenção e a adesão aos tratamentos para doenças cardiovasculares, atingiu no segundo semestre de 2022 mais de 78 milhões de brasileiros. Neste ano, foram realizadas ações da segunda edição da campanha que contou com a participação da jornalista e apresentadora Fernanda Gentil. Os conteúdos relacionados ao tema foram veiculados no período de setembro a novembro e atingiram o dobro de pessoas em relação ao ano passado, 2021, totalizando quase 100 milhões de pessoas.


O objetivo central deste projeto de prevenção é atingir a população 40+ que é a principal parte dos brasileiros que, infelizmente, não dão continuidade aos tratamentos e as medicações necessárias para a saúde do coração.


De acordo com João Fernando Monteiro Ferreira, presidente do Conselho Administrativo da SBC, “é sabido hoje que a falta de adesão aos tratamentos das doenças cardiovasculares é um dos principais fatores que influenciam no agravamento, desencadeamento de outras doenças e até mesmo na mortalidade dos pacientes. O problema, que foi agravado ao longo dos períodos mais críticos da pandemia, ainda persiste e atinge de forma singular no controle de diversas comorbidades. A falta de adesão também, influencia na saúde e qualidade de vida dos pacientes”, completa.


Campanha utilizou múltiplas mídias para alcançar seus objetivos


Os dados levantados pela SBC mostraram que somente as redes sociais foram responsáveis por 3,4 milhões de impressões. Além disso, também nas redes sociais, os vídeos da “Parou por quê?” tiveram mais de 1,3 milhões de visualizações, recursos estes, cada vez mais importantes nas divulgações das ações da SBC. Nas redes sociais, os conteúdos da campanha foram ligados a internautas que pesquisavam sobre os assuntos “saúde”, “diabetes”, “hipertensão”, “coração fraco” e “cardiologia”. Ainda, receberam os temas pessoas que transitavam entre “assuntos diversos”.


Além da grande repercussão nas redes sociais, a campanha também avançou em plataformas mais tradicionais como a televisão e rádio. Para isto, foram veiculados conteúdos da “Parou por quê?” em programas como “É de Casa” da rede Globo, no “Mais Você”, da apresentadora Ana Maria Braga, “Encontro” e até mesmo no intervalo dos filmes exibidos no “Domingo Maior” (Globo). Juntas, esta audiência somou mais de 18 milhões de expectadores.


Em relação às rádios, a “Parou por quê?” foi veiculada em diversas cidades e estados brasileiros, como Salvador, São Paulo, Curitiba, Belo Horizonte, Manaus e Goiânia, totalizando uma audiência significativa, com mais de 39 milhões de ouvintes. Houve também inserções no jornalismo, como matéria no portal R7, da Record.



“Parou por quê?” presencial: ações na Avenida Paulista (SP) e no Mundial de Cardiologia


Além das peças veiculadas nas mídias, a Sociedade Brasileira de Cardiologia também realizou com o apoio da Novartis ações interativas presenciais com distribuição de brindes e materiais de conscientização. Uma delas aconteceu na avenida Paulista, no dia 29 setembro, Dia Mundial do Coração. Ainda, houve ativações presenciais durante o Congresso Mundial de Cardiologia, que ocorreu concomitantemente ao 77° Congresso Brasileiro de Cardiologia na cidade do Rio de Janeiro, entre os dias 13 e 15 de outubro. Neste caso, o objetivo foi conscientizar os médicos sobre a importância de conversarem com seus pacientes sobre a adesão aos tratamentos.


"Apesar de todos os avanços científicos das últimas décadas, com medicamentos e procedimentos capazes de reduzir enormemente as complicações e a mortalidade, ainda é preciso conscientizar o paciente de que este precisa ser protagonista do seu prognóstico. Mudanças de hábito e adesão ao tratamento está em suas mãos e está campanha chama atenção para este aspecto ", finaliza o presidente do Conselho Administrativo da SBC.


As doenças cardiovasculares configuram com a principal causa de morte no país. São 400 mil mortes ao ano, sendo 1100 por dia e 2 a cada 1 minuto, superando todas as outras enfermidades, como todos os tipos de câncer ou a Covid-19, por exemplo. Também matam mais que mortes violentas ou mortes no trânsito.


Mais informações


No site (www.coracao.org) é possível encontrar conteúdos educativos, cartilha sobre as principais doenças cardiovasculares e a importância da prevenção, dicas de hábitos saudáveis, além das peças publicitárias que serão utilizadas na campanha. Também há dados estatísticos.


81 visualizações
bottom of page